sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Mypaint, entendendo melhor o aumento de pinceis... Parte I

Depois da serie de artigos dedicados à minha integração do Mypaint com o Gimp... pensei de começar artigos mais focados neste processo. Neste em particular vou tentar analisar como o Mypaint trabalha com os pinceis... nada de complicado... e irei começar pelo bem básico explicando como funciona o Radius, a dimensão do pincel.
Uma das coisas mais interessantes e também desconcertantes do Mypaint é como ampliamos o tamanho de um pincel... isto acontece em escala logaritmica na base e.

Dimensão dos pinceis em pixel
Depois de algum tempo tentando entender com um certo grau de precisão... a correspondencia do valor do Raio, originalmentente numa escala logaritmica, em pixels... me descontrei com uma serie de probleminhas e principalmente hábitos adquiridos :D, um deles... para mim é natural pensar na dimensão do pincel como seu diâmetro... acho que para quase todo mundo é assim. No mypaint os pinceis são medidos por seu raio... então para saber o diâmetro temos que fazer a multiplicação por 2.
Esta coisa de pensar em diâmetro é tão intuitiva que me levou varias vezes à conclusões erradas nos calculos. Acho que não tem só eu neste clubinho! Na minha opinião a dimensão de um pincel é naturalmente o seu diâmetro... este negócio de ficar multiplicando na cabeça pra saber o diâmetro do pincel é uma coisa meio chata.

No entanto este argumento é meio controverso... pois os desenvolvedores acham que o Mypaint não foi feito para arte-final e tão somente para esboços... eu acho meio estranho isto... o que define se um tool é dedicado a esboços ou artes-finais não é o tool em si mas como eu uso o tool.

Para quem quer uma ótima referencia sobre a dimensão dos pinceis no Mypaint, leiam o manual do Ramón Miranda, na versão em espanhol e inglês [http://www.ramonmiranda.com/2011/04/mypaint-how-to-make-brushes-on-my-paint.html].

A formula para calcular o raio do pincel é esta:

ln(pixels) = Raio do pincel

Para realizar o cálculo inverso, ou seja, partindo do valor de raio e descobrir o correspondente em pixels, a fórmula é a seguinte:

exp (raio)

No caso desta segunda fórmula precisa primeiro colocar o 'e' na base (o nosso x), depois clicamos na tecla x^y (x elevado a y) e finalmente colocamos o raio que nos interessa. Mas sinceramente acho mais interessante fazer um colinha da tabelinha, que disponibilizo abaixo, pra facilitar as coisas :-)

Testando a fórmula
Para testar esta fórmula eu fiz um jpeg com várias espessuras e depois as verifiquei no Gimp... estão todas certinhas. Para entender a quantos pixels equivalem os radius verificados olhem a tabela publicada no topico final deste artigo.
Testes com a formula para um pincel de tipo fixo, que não varia a dimensão em função nem da pressão nem da velocidade... para valores de 1 pixel a 15 pixels aproximadamente.
Figura 1. Testes com a formula para um pincel de tipo fixo, que não varia a dimensão em função nem da pressão nem da velocidade... para valores de 1 pixel a 15 pixels de diâmetro aproximadamente. Os valores escritos logo abaixo dos samples são os raios na escala logaritmica do Mypaint.
Para entender o principio de crescimento logaritmico do pincel no Mypaint eu rascunhei um gráfico... mesmo aqueles pequenos acréscimos ou descréscimos de 0,3 (Teclas F e D do nosso keyboard respectivamente) no Radius não são constantes e dependem muito na zona de range que o radius se encontra. Se estivermos entre os radius de 2 a 5... as variações de 0,3 serão muitas vezes maiores daquelas obtidas entre os radius de 0 a 2.
Gráfico do aumento do pincel em função do Radius. Vocês podem notar que a partir de 2 o acréscimo é grande.
Figura 2. Gráfico rascunhado do aumento do pincel em função do Raio. Vocês podem notar que a partir de 2 o acréscimo é grande.
Este treco é bem chatinho de usar... este negócio de escala logaritmica pra dimensionar pincel é prático pra diminuir e aumenta-lo enquanto se trabalha... mas se queremos ter noção do espessura de um traço em um desenho a coisa se complica um pouco.

Tabela de relação entre o radius, pixel e mm (300 ppi)
Então eu pensei em fazer uma tabelinha para ter uma noção "aproximada" deste andamento, é importante também explicar como funcionam em geral os gráficos dos diferentes inputs (Pressure, fine e gross speedy, stroke, etc...).
Para construirmos pinceis fixos ou estáticos que não mudam de tamanho é importante que todos os inputs do Raio estejam zerados. Os valores e comportamentos que colocamos nos diferentes inputs previstos pra cada tipo de comportamento vão acrescentar ou tirar conforme é a cara da curva que fizermos. Vamos supor no Raio o valor 2, na Pressão o valor 1 e esta com uma curva que é constante ao longo do eixo da pressão (x) que se traduz em uma linha reta em +1 na parte superior do gráfico, como mostra a figura Fig. 3 abaixo. O pincel nestas condições irá produzir uma mancha que é a soma do valor de base, 2, mais 1 da curva da pressão, isto resulta num pincel de raio igual a 3 o que corresponde a 40 pixels de diâmetro.

Figura 3. Raio com valor de base igual a 2 + Pressão com valor de raio 1, constante para todo o range. Isto resulta um pincel no final com 3 de raio o que significa 40 pixels de diametro.
Achei interessante também adicionar os valores milimetros, que podem ser particularmente uteis para termos uma ideia do tamanho real quando isto for imprimido. A base dos cálculos usada aqui foi para uma resolução de impressão de 300 ppi.

Tabela de relação entre Raio (Mypaint*), Diâmetro em Pixel e em Milimetros*.
Raio (Mypaint)   | Diametro (px) | Diametro (mm)
      -0,70      |      1        |      0,09 ~ 0,1
       0,00      |      2        |      0,17 ~ 0,2
      +0,40      |      3        |      0,25
      +0,70      |      4        |      0,35
      +0,92      |      5        |      0,42 ~ 0,4
      +1,10      |      6        |      0,51 ~ 0,5
      +1,39      |      8        |      0,68 ~ 0,7
      +1,71      |     11        |      0,93 ~ 1,0
      +2,01      |     15        |      1,27 ~ 1,3
      +3,0       |     40        |      3,39 ~ 3,4
      +4,0       |    110        |      9,31 ~ 9,3
      +5,0       |    296        |     25,4
Raio (Mypaint*) = valor que aparece no Mypaint.
Milimetros* = se refere a densidade de 300 ppi.

Esta tabela funciona principalmente para pinceis de tipo fixo, ou seja, com a pressão desabilitada (igual a zero). Se tivermos inputs com valores que variam em função da pressão ou velocidade, por exemplo, o raio final do pincel vai ser sempre a soma do valor de base + os outros inputs que estiverem maior o menor que zero... como expliquei na figura 3.

Variação do tamanho e qualidade
Os pinceis do Mypaint não tendo uma base raster, como os .gih ou .gbr do Gimp... não são prejudicados na qualidade quando os aumentamos ou diminuimos, mesmo drasticamente. Tal fato é bem prático mas algumas vezes pode causar alguns problemas, principalmente se este aumento form muito pronunciado, por exemplo, na hora de fazer um contorno... basta um minimo de pressão para causar um notavel aumento tamanho do pincel. É claro que tudo isto pode ser corrigido na curva de pressão em muitos lugares... mas na minha opinião isto gera mais variáveis e complicações no fluxo de trabalho. Então a dica é manter um set de pinceis bem simples e instrutivos ao nosso uso, evitanto ao máximo a continua interação com as funcionalidades dos mesmos. Nas curvas que interferem diretamente no tamanho, tais como pressão e velocidade fina e grossa... recomendo não exagerar nos valores de máximo e minimo... pelo menos naqueles pinceis aonde precisamos um bom controle no traço e na pintura.

Futuro set de pinceis para inking no Mypaint
É minha intenção realizar alguns pinceis de tipo fixo e variáveis (dentro de certos limites de range), para desenhar no Mypaint, tão logo seja possível irei disponibiliza-los como um pack. Acho que assim fica mais prático e fácil de entender os conceitos que aqui apresento.

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

G'MIC ( pacote de filtros para o GIMP) Online

G'MIC Online:
O Plugin G'MIC, muito apreciado pelos usuários do GIMP, agora tem uma versão Online! É claro que ele não é tão complexo como no GIMP, porém conta com mais de 200 filtros nessa versão online. Achei uma opção bem interessante para quem não conhece essa ferramenta, que na verdade é uma "ferramenta de linha de comando", basicamente, embora funcione na interface gráfica do GIMP de forma parecida como vemos no site, possa experimentar e instalar na sua versão do programa depois de uns testes online.
'via Blog this'

sábado, 13 de outubro de 2012

Mypaint e Gimp - Preview da minha integração - parte IV

No artigo precedente estive comentando sobre a possibilidade de usar os pinceis do Mypaint em trabalhos de precisão sem ter a necessidade de trabalhar excessivamente com o zoom, visto que eles funcionam muito bem sem a necessidade de escala-los continuamente.

Para exemplificar este fato eu capturei algumas videadas dos trabalhos emblemáticos desta minha preview. A ilustração "Terceiro Setor" foi colorida no Gimp usando seleções livres e sucessivamente salvadas como traçados, já a ilustração "Privado" foi colorida a mão livremente no Mypaint. Na ilustração feita integralmente no Mypaint, "Privado",  quando 'zoomada' notamos uma certa imprecisão nos bordos de pintura... analisando estas invasões de bordo, notei que a maioria são praticamente imperceptíveis em tamanho real e não tem muito sentido limpar uma coisa a qual no final não iremos perceber na impressão... mesmo porque o processo em quadricromia tem uma acuidade visual menor daquela observada no monitor de trabalho e principalmente quando usamos o zoom... que no caso do impresso não é possível com a mesma qualidade e acuidade.

No trabalho de colorir feito em Mypaint, a ilustração "Privado",  em tamanho real são visíveis imprecisões , muitas delas são grosseiras e as irei corrigir... mas em alguns casos são intencionais. Se observarmos o braço do garoto, na parte inferior da imagem detalhe, notamos que tem um aspecto ótimo e sem defeitos aparentes. Mas se olharmos com o zoom veremos muitas imperfeições.

No Mypaint é possivel obter este tipo de finalização sem termos a necessidade de trabalhar com zooms excessivos ou ficar correndo o trabalho de um ponto ao outro. Notar que grande parte do trabalho "Privado" foi feito na escala 1:1 em um video de 22,5 polegadas... e trabalhei praticamente na tela no tamanho real de impressão, um A3.

Importante frisar que o controle no Mypaint é tão bom, que fazer estas pequenas correções é muito fácil e pratico. Outra coisa é o tempo gasto... no Mypaint tem um ganho efetivo de tempo de uns 50%, pensando em trabalhos menos ou mais detalhados e já considerando as correções nas pinceladas... isto equivale seguramente a um aumento de produtividade e a uma diminuição de stress.

Detalhe da ilustração "Terceiro Setor", a coloração feita no Gimp.
Detalhe da ilustração "Terceiro Setor", a coloração feita no Gimp. O detalhe corresponde a +/- 13 cm de largura do tamanho real.
Detalhe da ilustração "Privado", realizada integralmente no Mypaint, aonde se observam a imprecisão nos bordos.
Detalhe da ilustração "Privado", realizada integralmente no Mypaint, aonde se observam a imprecisão nos bordos. Aqui também temos o equivalente de 13 cm da largura efetiva do trabalho.
Mas isto não quer dizer que tudo é melhor ou mais pratico fazer no Mypaint... no âmbito destas ilustrações fiz vários destes degradês com o Gimp, para céus, mares, rios etc... as vezes, no entanto, o aspecto perfeito e quase inatural destes degradês "briga" com o resto do meu trabalho... mesmo usando uma paleta de cores limitada e prevalentemente de tinta unida. É aí que o Gimp volta a ser util, pois podemos usar pincéis com rasters para diminuir a inaturalidade destas grandes zonas de tinta.
Para produzir as texturas na mesa, exibidas na imagem detalhe a seguir, usei um pincel tipo flat no modo 'color erase' com a cor de foreground o valor mais escuro da tinta do degradê da mesa.

Detalhe da ilustração "Terceiro Setor" com a texturização da escrivaninha com um pincel estático do Gimp...
Detalhe da ilustração "Terceiro Setor" com a texturização da escrivaninha com um pincel estático do Gimp... que produz estes riscos na textura do degradê da mesa.
Detalhe da ilustracão acima antes da aplicação do pincel estático tipo flat que produz a textura com riscos.
Detalhe da ilustracão acima antes da aplicação do pincel estático tipo flat que produz a textura com riscos.
Espero que vocês tenham gostado do relato e que seja útil para o percurso de vocês também. No próximo artigo sobre esta integração tentarei explicar entre as varias questões, por exemplo, aquelas relativas às cores e como criei a paleta de 64 cores segura para o CMYK, a qual serviu como referência para toda serie de ilustrações que fiz para este trabalho.

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Mypaint e Gimp - Preview da minha integração - parte III

Ilustração intitulada "Terceiro Setor", formato A3, com Inking no Mypaint e Coloring no Gimp.
Ilustração intitulada "Terceiro Setor", formato A3, com Inking no Mypaint e Coloring no Gimp.
Agora estou na fase de finalização dos trabalhos no Mypaint... e tive oportunidade de testar várias possibilidades entre Mypaint e Gimp. Como sempre tudo depende do tipo de trabalho, do estilo, da complexidade dos elementos e por aí vai :-).

No caso específico destes trabalhos, aonde tem muitos detalhes em pequeno e isto acaba gerando uma grande quantidade de elementos... então eu notei que o uso do Gimp para traçar os elementos e pinta-los com tintas planas (de uma paleta de cores já decisa) foi por demasiado cansativo e chato de fazer... no final você acaba focando muito em detalhes que nem vão aparecer na impressão :). Explico melhor, vamos supor que o bordo de uma tinta não venha tão preciso... mas se estivermos trabalhando com zoom, muitas vezes esta 'borradinha' nem vai ser notada e algumas vezes é o charme de uma certa arte de colorir as coisas, no meu caso é assim.
Ilustração intitulada "Privado", formato A3, com Inking e Coloring no Mypaint... e degradês no Gimp.
Ilustração intitulada "Privado", formato A3, com Inking e Coloring no Mypaint... e degradês no Gimp.
Então eu decedi colorir integralmente no Mypaint uma das ilustrações em formato A3 e verificar a facilidade, praticidade e portanto o ganho de tempo. Indiscutivelmente, para os trabalhos aqui apresentados é bem mais facil trabalhar no Mypaint, nele é facil 'zoomar' e girar on-the-fly a imagem pra traçar linhas de contorno e mesmo pintar. O Mypaint é muito bom para realizar pequenas pinceladas de arremates sem a necessidade de ficar escalando o mesmo. A desvantagem é que não temos  como no Gimp pinceis baseados em rasters, onde podemos criar texturas interessantes. Mas ao mesmo tempo eu achei interessante poder pintar tudo no Mypaint e depois no Gimp dar aqueles pequenos toques na cor com alguns dos meus pinceis... desta forma o trabalho parece ficar mais interessante, prático e interessante do ponto de vista da pintura e desenho em geral. Mas claramente esta uma minha interpretação e como já diz o título... uma preview da minha integração entre Mypaint e Gimp.

No Mypaint a última ilustração, intitulada 'privado' em formato A3 pleno, contém bem 21 camadas. O trabalho correu sem nenhum tipo de surpresa ou problema... e isto por si só já diz muito.
A integração do .ora com o Gimp não teve nenhum tipo de problema, mesmo numa versão fork, o Gimp-painter 2.6.11 numa maquina com Linuxmint 11 (ubuntu 11.04).

Finalizando eu acho que o Mypaint, pra mim, daqui pra frente vai constituir uma ferramenta de trabalho pra desenhar e pintar... Ao meu ver uma das maiores dificuldades no Gimp é girar a imagem on-the-fly, ou seja na viewport e não no canvas... trabalhar num formato A3 com 21 camadas no Gimp e começar a girar o ambiente de trabalho, vai dar uma canseira danada no processador e também pode causar uma perda sensivel nos detalhes das linhas devidas as continuas rotações imprimidas no raster.
Quem sabe no futuro teremos um meio de rodar o canvas no Gimp assim como é possivel fazer no Mypaint... isto resolveria em muito uma das maiores dificuldades do desenho e da pintura no Gimp.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

Mypaint e Gimp - Preview da minha integração - parte II

In progress do trabalho de colouring no Gimp para depois trabalhar no Mypaint.
In progress do trabalho de coloring de uma das pranchas no Gimp para depois trabalhar no Mypaint.
Bem agora depois de alguns dias trabalhando com o Mypaint e o Gimp, posso ter algumas ideias sobre este fluxo de integração entres estes dois brilhantes pacotes de Digital Painting.

A fase de inking no Mypaint é brilhante e solta, mas precisa ainda melhorar os pinceis para inking... eu os acho por demais soltos e macios. Preciso mudar as preferências destes pinceis para "amarrar" um pouquinho na hora do traço. Para sketches em geral deste jeito macio e fluído é o ideal.
Preciso trocar umas ideias com o Mozart Couto, sobre isto, pode ser que o problema esteja na tablet que estou usando uma wacom, que são notadamente macias. Quando estiver usando a monoprice 10x6.25 que comprei, talvez possa dizer algo mais a respeito.
Um dos fatos mais interessantes que notei é que o Mypaint produz um arquivo muito menor que os arquivos xcf do Gimp... a paridade de pixels o Mypaint tem um arquivo 4 vezes menor!

Se acontecer mesmo aquela integração entre Gimp-painter e Mypaint, hipotizada e mostrada no weblog do David Revoy [http://www.davidrevoy.com/article122/gimp-painter-2-8dev-test], vai ser uma coisa excelente... pois iremos evitar os vai-e-vem entre os dois pacotes, apesar da boa integração do arquivos .ora baseados em .png. Mas não sei se isto em termos de peso e agilidade vai ser realmente um ganho.

O Mypaint roda bem o canvas, com steps de 15°, o que é suficiente para mim. O zoom funciona otimamente como botão da stylus em combinação com a tecla Ctrl... sem nenhum problema. Preciso melhor os atalhos... mas até agora são bem bolados e funcionais... o jeito é usar os mesmos para o Gimp.

No Mypaint, uma das dificuldades que tive nestes formatos grandes foi encontrar o cursor com de pintura... ele praticamente some para o traço de inking... para encontra-lo eu uso bater no "space" e aí aparece o cursor "mão", bem mais evidente... Eu já postei no Mailing List do Mypaint esta questão e sugeri que fosse adotada alguma outra técnica para evidenciar a posição do cursor... agora pensando... eu acabei de ativar o Ctrl no cursor do mouse para evidenciar a posição dele... funciona muito bem no Mypaint... basta um toquinho no Ctrl e ai ele dá o efeito para evidenciar a posição.



Agora publico uma preview das imagens já finalizadas com os traços feitos inteiramente no Mypaint.
O tamanho da ilustração maior é um A3 e aquela compridinha é um 10x42 cm de largura.
Seguindo o conselho do Mozart Couto eu coloquei as massas de cor no Gimp, as ferramentas pra isto são mais interessantes e práticas aí... mas é minha intenção retornar no Mypaint para retocar as grandes massas de cor planas com os pinceis de acrilico, por exemplo, e promover um aspecto menos "lambido"  :). Aliás tenho que agradecer os conselhos do Mozart quanto ao trabalho de inking em geral e os toques sobre o estilo das minhas figuras.

Na medida do possível vou postando as dúvidas, soluções e truques deste percurso.
Inking feito no Mypaint. A imagem mede uns 10 cm de altura por 42 de largura.
Inking feito no Mypaint. A imagem mede uns 10 cm de altura por 42 de largura.
Imagem em formato A3 feita integralmente no Mypaint... Usando o Gimp para posicionar
e remanejar as figuras nos layers.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...