quinta-feira, 31 de maio de 2012

Pinceis tipo lápis e outros meios secos para o Gimp

Exemplos do uso de alguns dos pinceis para lápis realizados por Mozart Couto.
Exemplos do uso dos pinceis realizados pelo Mozart Couto.
Set para lápis e outros afins
Este é lançamento oficial do set pinceis para o Gimp. Nós iremos publicar os pinceis em sets e ou por técnicas ou tipologias. Esta coleção é especializada unicamente nos lápis, lápis coloridos, crayons e outros meios secos em geral.

Você pode fazer o download dos pinceis nos links abaixo e eles foram divididos em duas coleções:

1. Básica: http://forks-and-drills.googlecode.com/files/pencils-basic.zip
2. Completa: http://forks-and-drills.googlecode.com/files/pencils-complete.zip

Para organizar em modo eficiente os pinceis no Gimp leia o tutorial:
http://forksanddrills.blogspot.com/2012/05/um-metodo-para-administra-os-pinceis-no.html

Vídeo
Este vídeo feito pelo Mozart Couto apresenta rapidamente os pinceis dedicados aos meios secos:
Vídeo de apresentação do set de pinceis dedicados aos meios secos.
Vídeo de apresentação do set dedicado aos lápis, lápis coloridos, crayons, etc...


Algumas notas históricas
Seguramente o lápis é o instrumento que mais se confunde com a palavra desenho... está presente entre os instrumentos mais usados por pintores, desenhistas e ilustradores.
O instrumento como o conhecemos é uma descoberta do austríaco Joseph Hardmuth da Koh-I-Noor em 1790 e seu método de produção é até hoje usado.

Exemplos feitos com o mouse
Os exemplos a seguir foram realizados com o mouse no Gimp 2.8 com as dinâmicas desativadas.
Exemplos realizados com Pencils da serie básica.
Exemplos realizados com Pencils da serie básica.
Exemplos feitos com Doodle Crayons.
Exemplos feitos com Doodle Crayons.
Emulação, técnicas e método para criação dos pinceis
Quando tentamos emular lápis, carvão (charcoal) e crayon (lápis de cera) digitalmente estamos sempre tentando imitar o aspecto poroso deste meio.
O lápis, por exemplo, deixa partículas do grafite nas superfícies sobre as quais estamos trabalhando... e assim o padrão ou textura peculiar é devida às texturas de nossos suportes. Quando pensamos ao lápis não podemos que não pensar ao padrão de textura das fibras dos papeis que estamos usando. É bem difícil desenhar com um lápis em uma superfície perfeitamente lisa, como aquela do vidro.

Os pinceis destas coleções foram criados para emular os meios secos (lápis e charcoal e em parte o crayon também) no Gimp, em grande parte são inspirados nestes patterns e ou texturas tipicas.

Para imitar estas texturas foi usado basicamente 'doodles', literalmente rabiscos e manchas com comportamento caótico. Todos estes pinceis foram projetados para serem utilizados sem nenhum tipo de dinâmica ou presets, são prontos para o uso, inclusive com o mouse.
É claro que estes pinceis poderão ser modificados com presets e ou dinâmicas e assim adquirir novas qualidades... mas isto acontece com qualquer tipo pincel essencialmente. O uso dos presets e dinâmicas a partir do Gimp 2.8 foram tremendamente ampliados e em parte modificados, e isto influencia tremendamente o conceito e como usamos os pinceis, sejam estes do tipo estático (vbr, gbr) ou do tipo dinâmico (gih), mas isto vai ser o argumento de um próximo post. :)

---
References
http://en.wikipedia.org/wiki/Pencil
http://en.wikipedia.org/wiki/Charcoal
http://en.wikipedia.org/wiki/Crayon

sábado, 26 de maio de 2012

Marvin Friedman [1930-2012]

Marvin Friedman [Flickr Leif Peng]
Uma ilustração de Marvin Friedman, para Boys' Life Magazine
October 1974. [Fonte: Leif Peng Flickr Set]
Uma das ideias que temos em relação ao nosso blog é criar uma rubrica sobre ilustradores brasileiros e estrangeiros. Então decidi iniciar esta rubrica com um belíssimo post sobre o ilustrador Marvin Friedman escrito por Leif Peng.
TODAY'S INSPIRATION é um excelente referência sobre ilustradores americanos.
Eu frequento este blog já faz alguns anos, acho que desde 2007 quando comecei utilizar profissionalmente o flickr. Leif Peng é um grande colecionador de imagens sobre a ilustração... no seu perfil do flickr tem a apresentação da sua história de colecionista [http://www.flickr.com/people/leifpeng/]. Aconselho com calma olhar a sua coleção de imagens no flickr [http://www.flickr.com/photos/leifpeng/].

sábado, 12 de maio de 2012

Scanning pencil drawing on linux in three steps

Eu sempre tive problemas em me lembrar todas as vezes que tenho que digitalizar desenhos feitos a lapis... a gente sempre consegue encontrar o caminho, mas as vezes é um tremendo zig-zag, então eu decidi a conselho do Mozart realizar um howto muito simples em tres fases somente.
Este tutorial pode ser aplicado a qualquer sistema operativo e programa, pois as dicas são bem simples e todos ambientes e programas tem estes recursos. Aqui eu utilizei o Linux com a distro ubuntu 12.04, Gimp 2.8 e Xsane.

As três etapas:
1. Abrir o Gimp ou Photoshop e realizar o preview.
Aqui precisamos setar a resolução, neste esemplo eu usei 300dpi, mas para artes finais eu aconselho como minimo 600dpi.
Eu prefiro trabalhar em grayscale (escala de cinzas), eu acho que os melhores resultados para filtrar imperfeições do papel e matizes nele presentes, consigo com o modo grayscale.
Eu deixo sempre a janela Histogram aberta, prefiro usar a representação logarítmica da escala de cinzas.
Para realçar o traço já na fase de digitalização eu altero o valor do gamma para que a imagem em preview se torna o mais nitida e realçada possivel... sem perder por demais os cinzas.
Preview do desenho à lápis sem alterar ainda o valor do gamma.
Antes | Preview do esboço a lápis sem alterar o valor de gamma default.

Preview depois de alterado o valor do gamma da imagem no Histogram.
Depois | Preview do esboço a lápis com o gamma alterado, igual a 0.34, o cursor vem
puxado a direita do  histograma.


2. Uma vez ajustada a posição do gamma no Histograma, podemos realizar a nossa digitalização.

3. A imagem digitalizada é salva como original e fazemos uma cópia, na qual iremos trabalhar.
Para corrigir a imagem  usaremos a função 'Adjust Color Levels' que está presente no menu 'Colors' do gimp. Para ajustarmos a imagem temos que 'puxar' os dois cursores laterais de input levels, de minima e máxima luminosidade,  para o centro... depois levemente acertar o cursor de centro para acharmos o melhor equilíbrio.
Finalmente salvar e  pronto... aqui está um método bem simples, básico e fácil de recordarmos.

Imagem sem ainda a mudança no Adjust Colors Level
A imagem como foi digitalizada... as linhas brancas são defeitos do meu scanner mesmo... depois de 9 anos ele resolveu aposentar-se... O Adjust Color Levels ainda não foi aplicado aqui.

A imagem com aplicação da correção nos cursores laterais dos 'input levels' na direção do centro.
Imagem final corregida com a técnica de estreitar a gama de cinzas. Os cursores são posicionados no centro e logo depois movimentamos aquele central pra dar o toque final.


Imagem original depois da digitalização, sem nenhuma correção no gimp.
Antes | Imagem original depois da digitalização, sem nenhuma correção no gimp.


Imagem final corregida com a técnica de estreitar a gama de cinzas com o 'Adjust Color Levels'
Depois | Imagem final resultante do estreitamento da gama de cinzas com o 'Adjust Color Levels'.


Vocês devem me desculpar, aquelas listas brancas presentes nas imagens... o meu velho epson 1260 depois de 9 anos vai ter que ser aposentado :-)

domingo, 6 de maio de 2012

Um método para administrar os pinceis no Gimp

A gestão dos pinceis no Gimp é particularmente deficiente quando se trata de disponibilizar ao voo sets ou inteiras coleções para um trabalho em especifico. Uma lista quilométrica de pinceis no gimp é uma coisa complicada de administrar e dificulta por demais a navegação e escolha destes durante a criação de imagens.

Estamos para lançar o nosso set de pincéis então o Mozart e eu tivemos conversando sobre isto e talvez iremos fazer um vídeo explicando isto em direta. Mas enquanto o vídeo não chega eu escrevi um rápido tutorial sobre o método que usamos no nosso dia-a-dia. [Veja o video: http://www.youtube.com/watch?v=kiMRKxAs9Qs]

É muito importante ler o post anterior sobre o assunto, organizando as pastas e as etiquetas no gimp 2.8:
http://forksanddrills.blogspot.com/2012/05/organizing-folders-and-tags-on-gimp-28.html

O nosso método caseiro [1]
Ele é por demais simples e essencialmente se trata de copiar em uma pasta de 'trabalho', que esteja elencada nas preferencias do gimp (Edit > Preferences > Folders > Brushes) os pinceis que servem... o fluxo deste método é bastante simples:

  1. se cria uma pasta para os nossos pinceis de trabalho no gimp, por exemplo, criamos uma pasta chamada 'work-brushes' numa qualquer parte do nosso ambiente de trabalho. 
  2. esta pasta tem que estar elencada nas preferencias do gimp em Edit > Preferences > Folders > Brushes.  
  3. criamos uma outra pasta, por exemplo 'gimp-brushes', que vai conter em modo organizado e pessoal os pinceis e coleções que estamos interessados em usar ou que já estamos usando. 
  4. quando precisamos de um pincel novo no gimp, basta ir na pasta 'gimp-brushes' e copiar o pincel, pinceis, sets ou inteira coleção na pasta 'work-brushes'... na hora de tira-lo, basta deleta-lo... isto se você usar a tática de realizar a copia da pasta de origem, neste exemplo 'gimp-brushes' para a pasta 'work-brushes'.

Então quando você colocar ou tirar pinceis da pasta 'work-brushes' o gimp vai automaticamente elenca-los ou tira-los da lista de pinceis. Para ter a lista sempre atualizada, usando este método, você tem que clicar no botão 'refresh brushes' a cada modificação que você realiza no conteúdo de 'work-brushes'.

É bom criar uma pasta de reserva de todo o material, caso você cometa algum erro ou no caso de uma reinstalação.

Inserindo a nossa pasta 'work-brushes' nas preferencias dos folders do Gimp.
O video já ficou pronto vocês podem ve-lo no nosso channel no YouTube.

Vídeo sobre como organizar os pinceis no Gimp 2.8
Video sobre como organizar os pinceis no gimp segundo o nosso método caseiro.
Uma variação do método caseiro mas usando pastas linkadas [2]
Ontem conversando com o Mozart Couto sobre o método de organização surgiu uma outra variante bastante interessante que melhora ainda mais o nosso método caseiro [1].
No método proposto temos uma pasta de trabalho, a 'work-brushes', onde todos os sets copiados nela são percebidos automaticamente pelo gimp.
Uma alternativa mais eficiente à simples copia, é usarmos aquela linkada, aonde a pasta ou pastas contidas na 'work-brushes' seriam do tipo 'linkada'. No linux basta fazer Ctrl+Shift e o drag-and-drop da pasta ou pastas ao interno de 'work-brushes'.

A vantagem principal das pastas linkadas, é que todas as mudanças (nomes, novos arquivos, variações, editing e delete) feitas nas pastas originais são vistas pela pasta linkada contida em 'work-brushes'. Por exemplo, com cópias comuns e no caso voces tivessem mudado alguma coisa nas pastas originais dos pinceis, para atualizar o gimp vocês teriam que novamente copiar a pasta ou as pastas dentro do 'work-brushes'... com o link dinâmico não, estas já estariam automaticamente atualizadas.

Organizing folders and tags on Gimp 2.8

Durante a preparação da coleção de pinceis para o Gimp 2.8, deparei com algumas surpresas boas e assim pensei em escrever alguns conselhos uteis de como organizar as pastas dos pinceis na nova versão.
O Gimp 2.8 reduz o trabalho de classificação dos pinceis com os seus tags, pois ele já considera como tags iniciais a organização, a herança e nomes das pastas que usamos na nossa árvore.
Por exemplo, se temos a seguinte árvore de pastas:

brushes
 \wet
     \classical
     \flow
 \bristles
 \pencils
 \acrylic
     \dry
     \scrawled

Ao colocarmos em Edit > Preferences > Folders > Brushes a nossa path de 'brushes', o gimp irá automáticamente criar os tags principais seguindo a árvore do nosso esquema, então teremos para os pinceis em 'wet/classical' os tags, 'wet' e 'classical'... para aqueles em flow irão estar tagados com 'wet' e 'flow'. Quando um diretório está somente no primeiro nivel, o tag fica mais direto, p.e., no caso dos pinceis na pasta 'bristles' eles vão estar tagados como 'bristles'. Lembre-se que o nome do tag vai ser igual aquele da pasta que os contem.


Atenção!
É importante não colocar nomes complicados e ou com caracteres incomuns, pois isto pode criar problemas no gimp... comigo aconteceu varias vezes de o programa ir em crash completo... o motivo era simples, algumas das minhas pastas  tinham nomes longos e inusuais, apesar de estarem segundo o esquema unix like deram problema. Então é melhor manter isto o mais simples possível, assim os tags automaticamente criados são também inteligíveis e práticos para a filtragem e ou pesquisa.

Na imagem podemos ver os tags: grains, wet; aonde o pincel é do tipo 'grains' e está na pasta 'grains' que por sua vez está na pasta 'wet'.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...